ANTÓNIO MARINHO E PINTO

Na Ordem de olho em Belém  –António Marinho ensaia candidatura a Presidente 

António Marinho e Pinto, cujo capital eleitoral subjacente à ascensão à liderança da Ordem dos Advogados permanece praticamente intacto, admite ponderar perfilar-se para a Presidência da República, disseram fontes próximas do bastonário ao semanário “Campeão” (que se publica em Coimbra). O cenário, recomendado por amigos e alguns colaboradores há uns meses a esta parte, ganhou consistência, recentemente, à luz do crescente protagonismo do causídico, apesar de o exercício do cargo estar longe de suscitar amplo consenso.

O termo do mandato de António Marinho ocorrerá no final de 2010, pouco tempo antes da recondução de Aníbal Cavaco Silva como Chefe do Estado ou da eleição de um sucessor. No horizonte do jurista não deverá estar a expectativa de ascender, dentro de dois anos, à Presidência da República, mas estará a de, com eventuais hipóteses de êxito, se perfilar para ingressar no Palácio de Belém em 2016 (então com 65 anos de idade).

Segundo as nossas fontes, trata-se, afinal, da reutilização de uma táctica que surtiu efeito na caminhada para a Ordem dos Advogados (OA). O causídico, eleito para a liderança da OA em 2007, tinha ficado, três anos antes, à beira de conquistar o cargo ao alcançar apenas menos cerca de 900 votos do que Rogério Alves.

Afrontado pelos presidentes dos conselhos distritais da Ordem no Continente – estruturas que  bastonário pretende extinguir – e por membros dos grandes escritórios de advocacia, António Marinho recebeu de muitos colegas manifestações de apoio, na sequência da polémica entrevista concedida (sexta-feira) à TVI. A tentativa de apear o bastonário, ensaiada por alguns advogados, poderá ter um efeito inverso ao desejado pelos mentores da destituição, admitem causídicos auscultados pelo “Campeão”.

Citada pelo Jornal i, uma advogada de Oliveira do Bairro afirmou que, se houvesse mais profissionais como ele, “muitas coisas seriam diferentes em Portugal”. António Marinho diz “aquilo que todos sabem, mas que não têm coragem de dizer, mexeu e continua a mexer com grande lobbies instituídos no país”, considerou Inês Pato. Natural de Vila Chã do Marão (Amarante), António Marinho transferiu-se aos 20 anos de idade para Coimbra, onde se fixou, com a adesão à terra adoptiva a sofrer breves hiatos devido a incursões pela Região Autónoma da Madeira, Macau e Lisboa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: